09/07/2012

Cadê o sentido disso tudo?

tumblr_lwggba4lpi1qfcghao1_500_large

São 5 anos blogando, desde a  época em que o “chique" era ter Flogão, e pra fazer parte do Orkut tinha que receber um convite de quem já tinha. Comecei com 18 anos, nessa época os blogs ainda eram considerados chatos (muito texto, poucas figuras, muito conteúdo nerd….). Cool era ter um Brechó, e foi aí que surgiu o Gardenya´s Brechó.

Era legal, eu blogava, descolava uma grana, as vezes trocava roupas com meninas de toda parte do Brasil, eu era feliz, muito feliz. Em 2010 resolvi que queria ter um blog pessoal, iria continuar com o brechó, mas a modinha dos blogs femininos estava no auge e eu queria uma coisa diferente do brechó, onde eu pudesse escrever sobre outros assuntos,  diversos assuntos. Quando comecei meu diário nostálgico eu não queria fama nem glória, era tudo simples, meu lema era: escrevo pra quem quiser ler e escrevo porque amo escrever!

Depois que o blog pessoal passou a ser um blog sobre “moda e afins”, aos pouco eu meio que fui me vendendo, era tão legal receber produtos de graça pra testa e ter um monte de meninas comentando e pedindo dicas, como se eu fosse a espertinha da moda. Eu sou a pessoa mais simples do universo, adoro uma calça jeans e uma camiseta, mas pelo blog e mudei muita coisa. Comprei um monte de maquiagem, aprendi a me maquiar, parei de comprar sapatilhas, comecei comprar saltos, aprendi me vestir com mais estilo e menos conforto. Houve um tempo em que eu gastava uma boa parte do meu salário com cosméticos, tudo pra poder testar e fazer resenha. Eu queria ser um sucesso, eu queria agradar a todas.

Já me frustrei demais por não ter alcançado o almejado sucesso, mas qual é o sentido disso tudo? Eu sou uma pessoa de verdade, eu não sou uma riquinha mimada que vive de compras e viagens ao exterior, também não sou a sortuda menina do interior que consegue realizar todos os sonhos, sou uma azarada, eu trabalho fora desde os 16, fiquei uma boa parte da minha infância sem ter banheiro em casa, nem me perguntem como a gente fazia o nº 2 sem um vaso sanitário ok? rsrsrs. Eu sou real, normal e faço parte da porcentagem de brasileiros que são pobres e emergentes.

De uns dias pra cá tenho notado que eu aprendi muita coisa boa com esse blog de mulherzinha, mas fui muito superficial também, não quero blogar por obrigação, quero voltar a época do Gardenya’s, quando o blogger era meu esconderijo secreto e eu me acalmava escrevendo, não tinha nenhum tipo de obrigação, escrever só era minha terapia.

Quero escrever sobre o que eu gosto e não sobre o que vai dar “ibope”. Ao mesmo tempo que penso isso, eu me lembro que já estou fazendo 24 anos e tenho uma família pra cuidar, filha, marido, casa, prestações do caro, talvez seja hora de parar, me sinto meio infantil tendo um blog, mas sinto que são seria eu mesma se não o tivesse. Mais um dos dilemas da minha vida.

Esse é o sentido de não ter sentido, a gente passa horas tentando decidir o que será melhor pra nossa vida e no fim a gente nunca sabe. A vida é um grande risco e eu odeio fazer escolhas. Nem sei porque escrevi esse texto, e nem sei porque vou publicar, mas quero ser assim, não me interessa se isso vai agradar ou não, era exatamente isso que eu queria postar aqui, então tá postado!

Como estou me sentindo?

balõesbikotiConfusa, frustrada e ando desconfiando que fizeram algum tipo de macumba pra cima de mim! Classe média realmente sofre!!!!!!!!!!!!!!

7 comentários so far

  1. Ai querida... não desista do blog não, tá? Mas você tem razão, poste só o que você quiser e quando você quiser, não faça do seu blog uma obrigação. O sentido da vida é SER, e não TER!

    bjs

    brechoparaquemechic@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verônica eu adorei essa frase, vou copiar, pode?
      "O sentido da vida é SER, e não TER!"

      Excluir
  2. Eu adoro o blog justamente por ele ser diferente, não ser aquela coisa fútil, por me identificar com coisas que você fala. continue com o blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. conheci teu blog na 'galeria de blogs' e estou amando, teu blog faz pouquinho tempo, não tenho muitos seguidores, mas escrevo o que to sentindo sabe, acho que blog é para isso mesmo, um cantinho só seu para falar do que te encanta, seguidores e tudo mais, isso é consequência.

    ResponderExcluir
  5. Oi acabei de ver seu blog e devido ao título porque procurava algum sentido para a perda.É que ontem inesperadamente faleceu uma tia do meu marido e eu queria sei lá uma luz para confortar a família. Porém adorei o blog e justamente este post tem tudo haver com eu que penso.Também tenho um blog e praticamente não tenho seguidores e esse nem era o propósito, já que também sou uma pobretona "emergente" e não tenho lá, compras, viangens e etc para compartilhar. Eu queria deixar algo registrado,algumas passagens, sentimentos a confusão de ser mulher numa casa só de meninos.Contudo nem postar consigo. Sou quase uma quarentona e acho que não é coisa de menina você deve continuar...já criou seu estilo e já sabe o que fazer vá em frente! Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto muito por sua perda, é sempre tão inesperado, mesmo quando a pessoa esta doente, a gente nunca espera que o fim será a morte, mesmo sabendo que esse é o fim de todos nós. Eu sou péssima em frases de consolo,pois acho que o único que pode te consolar é vc mesmo, mas que bom que achou meu blog, vou esperar te ver sempre por aqui.
      Estava lendo o seu e achei super legal, tão pessoal e original, acho que me conformei mais depois do seu comentário, talvez não exista idade para parar de blogar né.
      Obrigada!!!

      Excluir

Olá seja bem vinda aos comentários do blog Depois que você se foi.
Fique a vontade para comentar, então deixe abaixo a sua opinião sincera sobre esse post.
Volte sempre!

Depois que você se foi © . Todos os Direitos Reservados - Por: Gardenya Barbosa.